Você já brincou de caça ao tesouro? O esporte de orientação é uma moderna modalidade esportiva que reúne atividade física e faz o atleta voltar aos tempos de criança ao resgatar a aventura e a diversão em suas  competições. O esporte é individual e consiste em um participante completar um determinado percurso utilizando como apoio apenas uma bússola e um mapa topográfico, que ele recebe na hora da largada. No caminho o atleta deve, obrigatoriamente, passar por pontos marcados e registrar a sua passagem pelo local em cartões eletrônicos. Ganha quem fizer o percurso em menos tempo.

Segundo o presidente da Federação Cearense de Orientação (Fecori), Wladimir Santana, o grande diferencial é que a atividade acontece em meio a natureza. “As competições de orientação acontecem em terrenos espaçosos, parques, geralmente em fazendas, campos e até em dunas“, disse.

“No Ceará as corridas acontecem em Crateús, Sobral, Quixadá, dentre outros municípios. Em Fortaleza existem vários pontos, já mapeados, que são propícios para a prática”, completou.

Como fazer para ser um atleta de orientação

Para participar, o presidente da Fecori explica que o interessado deve se afiliar a um clube ligado à entidade para realizar um curso de orientação. “Nas aulas, os participantes recebem instruções de como utilizar a bússola, como decifrar os mapas, além de realizar treinos para os campeonatos que acontecem durante o ano”.

Existem mais de oito clubes que oferecem o esporte de orientação em Fortaleza. As corridas obedecem um calendário pensado pela Fecori junto aos clubes, e a partir daí, é organizado o Campeonato Cearense de Orientação (CCO). A 1ª etapa do CCO de 2013 já está marcado para acontecer no dia 10 de março.

Esporte para todas as idades

Segundo Wladimir Santana, mais de 500 pessoas praticam a atividade no Ceará. “O esporte é democrático, acessível e qualquer pessoa, a partir de 10 anos, pode fazer”.

O presidente do Clube Azimute de Orientação e Aventura, Jourderian Nobre, informou que o esporte torna-se mais aceito e procurado pois a família inteira pode participar e se divertir junta. Sem falar que é um esporte inteligente, pois o atleta tem que pensar rápido para criar estratégias e rotas para chegar aos pontos demarcados no mapa com agilidade. “Quem pensa mais, chega mais rápido”, pontuou.

Cerca de 70 pessoas são afiliadas ao Clube Azimute, dentre elas estão 5 crianças de 10 anos. “As crianças fazem parte de uma categoria onde o nível de dificuldade do percurso é menor e, consequentemente, mais fácil. A intenção é promover a diversão e a consciência ecológica de preservação da natureza”, colocou Jourderian.

Dificuldades iniciais

A jornalalista Hellen Marçal afirma que sua maior dificuldade no início foi conseguir interpretar o mapa para fazer todo o percurso corretamente. “É como uma grande brincadeira de caça ao tesouro, mas com um certo tempo de prática, a pessoa vai se aperfeiçoando na leitura do mapa”, disse. Hellen pratica o esporte há seis anos e disse que o seu maior adversário, no início, foi o sedentarismo. “Foi através da orientação que eu saí do sedentarismo e comecei a gostar de corrida para treinar para os campeonatos de orientação”, finalizou.

Itens de segurança

Segundo Hellen, é importante que o praticante tenha uma bússola e leve água, camisa de manga, boné, tênis para as corridas, além de disposição para conhecer muitos lugares novos. “É um esporte contagiante. O melhor é chegar no final com aquela sensação de missão cumprida, vencer o físico e o mental (que é pensar a melhor estratégia de se chegar ao final mais rápido que seus adversários)”, completou.

Matéria publicada no Tribuna do Ceará no dia 08/12/2012.